ENTRE EM CONTATO

(11) 5083-8222

   

BLOG

Dificuldade de atenção e memorização

Vivamelhor GIF - Find & Share on GIPHY

Quando o cérebro não é estimulado, existe maior probabilidade de esquecimentos e de desenvolver problemas de memória. Então, o que é necessário para que isto não ocorra?

Tentar fazer atividades que não fazem parte do cotidiano, para estimular áreas diferentes do cérebro, é uma das possibilidades. Estas atividades servem para aumentar a capacidade de armazenar as informações e são muito úteis para quem quer manter o cérebro ativo e eficaz.

Existem inúmeros exercícios para potencializar a memória, tais como:

-Sair da rotina, fazer atividades diferentes a cada dia, mudar o caminho até chegar em casa, mudar os locais de compra de supermercado.

-Tentar desenhar um objeto anteriormente visualizado, com todos os detalhes possíveis. Ou então, falar para alguém sobre eles.

-Fazer lista de tarefas, tentar lembrar, sem olhar o papel. Isto pode, também, ser utilizado em um supermercado. Escrever palavras em um papel e tentar lembrar em vários momentos do dia.

-Fazer contas mentalmente e evitar calculadoras!

-Usar menos as redes sociais.

– Praticar jogos de memória, jogos de diferença, dominó, palavras cruzadas, fazer Sudoku.

-Ler jornais, livros, assistir a  bons filmes e contar para alguém o que foi observado.

-Fechar os olhos em algum ambiente da casa e tentar lembrar os locais dos objetos.

-Fazer atividades que proporcionem prazer, tais como: dança, teatro, esporte, atividades manuais.

-Montar quebra cabeça.

-Se você se esquece de tomar remédio, converse com você mesmo, para tentar memorizar.

-Sem escrever, tente soletrar uma palavra de trás para frente. Inicialmente palavras curtas, depois  palavras maiores, gradativamente.

Os exercícios de estimulação da memória devem ser acompanhados de uma alimentação saudável. Se você conhece alguém, que apresenta esquecimentos recorrentes ou com diminuição da agilidade e rapidez de raciocínio, oriente-o a procurar orientação médica e do terapeuta ocupacional.

 

Postado por Dra. Gisane Cavalcanti Duque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *